terça-feira, 19 de setembro de 2017

São das mães que deixam sujar ou que até ficam com suores?

Se o meu instinto é - quando ela começa a fazer "porcarias" - dizer-lhe para parar ou para ficar tão nervosa e ansiosa que só me apetece ir comentando tudo o que ela está a fazer para não sujar nada? É. 

Se me borrifei para isso e fiquei comovida com o resultado? Oh yeah.



Vocês são das mães que deixam que as coisas aconteçam ou até ficam loucas como se alguém estivesse a arranhar as unhas num quadro de ardósia?


A post shared by Joana Gama (@joanagama) on


Não sou assim tão descontraída. Nós pés dela está um resguardo de plástico que a minha mãe me ofereceu para por por baixo da toalha na mesa de jantar. Achei que a possibilidade de acidente era menor, confesso.


A post shared by Joana Gama (@joanagama) on

Não sei para quem foi mais porreiro: para mim vê-la pintada e tão feliz ou para ela.


a Mãe é que sabe Instagram

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

A dar tudo!

Na 6a feira fui ao jantar de anos da Joana Gama. Mas fui a dar tudo. Apeteceu-me. Desta vez foi mesmo "ou é ou não é". E foi. 

Entreguei-me nas mãos da Catarina no Cut By Kate, em Santarém, e foi de madeixas, de penteado e maquilhagem mais carregada. Era para uma festa especial (Joaninha!!!), era à noite e apeteceu-me ir a dar tudo, mesmo que à 1h da manhã já estivesse a roncar em casa. 

Foi aquele boostzinho que estava a precisar para me sentir poderosa. Vocês sabem que às vezes bem precisamos.







O cabelo ainda sem o penteado

Madeixas louras, penteado e maquilhagem - Cut By Kate

Sapatos - Aerosoles
(estava desejosa de calçá-los -  única coisa boa de já não estar calor eheh)




  
www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram

Luísa porquita (e feliz!)

Brincar ao ar livre é vital para as crianças. Ao explorarem e ao sujarem-se, as crianças são mais felizes. A brincadeira no exterior, nomeadamente em contacto com a natureza, tem implicações ao nível de neurotransmissores como a serotonina. “As emoções positivas que advêm de brincar nestas condições estimulam até o sistema imunitário, em vez de o enfraquecer como muitos pensam”, afirma Helena Águeda Marujo, professora no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas e uma das principais investigadoras em Portugal na área da Psicologia Positiva num artigo no Observador

Tenho umas filhas que por elas andavam todas porquitas e experimentavam todo o tipo de porcaria que encontram. A Luísa já pôs na boca desde ervas a comida do cão, a pedras, a areia, a coisas com pêlo de cão, a restos de comida. Acha uma enorme piada a limpar as mãos à cara e a irmã mais velha ensinou-a a cuspir e a fazer papas de saliva com terra. Está no bom caminho, no caminho da felicidade, portanto. :) 

Estas fotografias são de sábado, tiradas depois de uma incursão a um monte de pedras cheias de pó. Adoro o ar dela ao saber que está toda porca. 





Fotos - João Rodrigo Feliciano
 
www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram

domingo, 17 de setembro de 2017

Não fazia uma festa de aniversário há 10 anos.

A sério. Ou 9, vá. 

Convenci-me a mim mesma que era porque não gostava de festas de aniversário mas foi porque, até agora, passei por uma fase (grandota, irra) em que o tempo estava sempre enublado com alguns períodos de sol (demasiadas previsões do tempo na rádio). Agora que tempo está sempre solarengo (o quanto odeio esta palavra...), mesmo quando chove, troveja ou me queiram cortar um pezinho, estão a voltar a mim as coisas que gosto de fazer. 

E eu gosto de fazer festas de aniversário.

Convidei os meus amigos mais próximos, aqueles mesmo mesmo mesmo mesmo e acabou por ser um grupinho muito pequenino (já não estamos nos 20 em que se convida a malta toda, acho eu), mas impecável.


Um grande obrigada a esta malta toda que me atura desde... os meus 16 anos - como a Rita. Ou desde o 6A como o Miguel, ou desde o 12º ano e todos os dias como se fossemos namoradas como a Susana, ou como a Joana Paixão Brás que fizemos um filho ou como a Ana que sou eu, mas a vestir-se em beta e ainda a morar na linha.

Esta festa de aniversário serviu para me mostrar que ao longo da minha vida fui construindo outra família. Família de pessoas que genuinamente gosta de mim por aquilo que sou (toda a gente ali me conhece sem merdas) e que escolhe continuar na minha vida.

Se há tanta gente que eu adoro e que admiro a gostar de mim é porque eu sou do caraças. Dizem que o nosso valor (vá, discutível) é uma média entre os nossos 5 amigos mais próximos e, se assim for, eu sou mesmo do cacete (como diz outra alma que me ilumina e que só pode ir lá ter mais tarde mas que tem sido a melhor prenda que este ano me deu).

A vida é tudo ao mesmo tempo e nós somos tudo o que fazemos, sentimos, respiramos, as pessoas que temos ou que nos têm...

Não fazia uma festa de aniversário há 10 anos. Andei perdida.

Já cá estou.

Adivinham-se uns 30, lá está: do cacete.

Obrigada também a vocês por fazerem parte disto. Por lerem a minha cabeça tão nua e por tanto amor que me passam.




Tenho 31 anos e sinto que isto só agora começou. Como diz a Fanny: "roda no ar".

Sim, acabei este post citando Fanny.


Vestido (meu favorito): Mahrla



a Mãe é que sabe Instagram

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Coisas que só sei aos 31

Olá, chamo-me Joana Gama e nasci no dia 17 de Setembro de 1986. Faço neste domingo 31 anos e aprendi algumas coisas giras que quero partilhar com vocêzes (imaginem que eu tinha andado a escrever durante 31 anos "vocêzes" e que ninguém me tinha corrigido): 


- A idade não passa de um número 

Isto não quer dizer que ande aí com um rapaz de 16 anos agora ou com um senhor de 60. Simplesmente me tenho vindo a aperceber que, independentemente da idade, há pessoas que surpreendem. Há pessoas mais novas que têm muito para ensinar e o contrário também. 

- Menos jovem não significa menos bonita

Acho que não me estou a convencer disto por ter medo de envelhecer. Acho genuinamente que estou a ficar "melhor" com a idade. A felicidade é a melhor maquilhagem que podemos usar e, mesmo cansadas de tanta coisa depois de sermos mães, o que se transforma em nós é muito mais positivo que outra coisa. 

- Quando nos irritamos com algo o problema é nosso

Sou muito intensa. Há muitas coisas que me enervam, mas isso não passa de um problema meu. Com tempo vim a aperceber-me que o enervamento é algo que nos liga às coisas más e que nos estraga os dias. Percebermos porque é que nos enerva, tentarmos resolver dentro de nós (ou resolver a coisa em si) é fulcral para ganharmos felicidadji  - "ah, felicidadji". 

- Ninguém vê assim tanto os pêlos em nós

Lembro-me de passar Verões inteiros, com uma pinça, depois da depiladora, a retirar os pêlos perdidos pelas pernas e virilhas. Só nós olhamos a esse pormenor. Acho que isso se percebe aos 30 - além de não termos tempo para esse grau de obsessão. 

- Está mal se não ouvirmos música

Eu sabia que precisava de música para viver e estava certa. Nas fases da nossa vida em que nos desligamos de ouvir música que gostemos é porque estamos perdidos. A música possibilita uma dança interior que nos leva a sentirmos romance por nós mesmos. Crucial. Se há segredo para "comer" auto-estima, creio que seja com música (e cabeleireiro haha). 

- Ser mãe não nos tira do mercado

Hell no. Honestamente, parece que ninguém se importa com isso a não sermos nós. É bom vir a saber disso. 

- É tão bom ir dormir cedo

Claro que também precisamos daquelas noitadas só para sentir que podemos ou conseguimos, mas nada como uma noitezinha em condições de sono, mais do que esborrachar 100 euros na Zara mais próxima. 

- Deixar as coisas fluirem

Não vale a pena pedir justificações, pressionar para modos de ser diferentes,... As pessoas fazem o que sentem que querem ou o que querem. Ouvindo e vendo os outros conseguimos deduzir as respostas que precisamos para saber onde colocar aquela pessoa na nossa vida (assim como vendo como reagimos e o que sentimos). 

- Se não gostas, tenta gostar

Há coisas que não dá para por fora da nossa vida por uma questão de timing ou impossibilidade prática. Não gostamos do nosso trabalho? Façamos por gostar. Concentremo-nos no que gostamos mais de fazer e façamo-lo apaixonadamente. 

- Não há tempo para tudo e ainda bem. 

Não há que nos sentirmos culpadas por não termos tempo para aquela pessoa que surge de vez em quando no nosso telefone ou facebook. Temos as nossas prioridades bem definidas e tanto nós como as pessoas que nos rodeiam já sabem que o tempo passa rápido e que não é por "má educação" que não se dá seguimento imediato ao "temos de combinar qualquer coisa". 

Aprendi mais coisas, mas os 31 também me ensinaram que não temos de dizer tudo logo, que pode ir surgindo, sem pressas. :) 


Achei que nesta foto estava com ar de quem manda nisto. 


Fotografia: The Love Project 

a Mãe é que sabe Instagram

Mas porquê? Parem lá com isso, senhoras!

SENHORAS MÃES, vamos aqui pensar todas juntas sobre um flagelo que tem atingido os nossos cérebros nos últimos anos (ou será meses?).

A Isabel tem 3 anos e meio. Mais coisa menos coisa. Isto é o que importa para quem não é pai ou mãe dela. A miúda tem 3 anos e meio. Tinha 3 anos quando tinha 3 anos e 1 mês. Terá "3 anos, quase 4" quando estiver a 2, 3 meses de fazer 4 anos. Quando muito terá 3 anos e 10 meses. 

AGORA 42 meses? Porquê?!! Mas está tudo tontinho? Ou é tudo doutorado em física quântica e consegue fazer contas em 4 nanosegundos? Deixem-se disso! Poupem-nos tempo e cabeça, que já não sobram assim tantos neurónios!



Ninguém, tirando uma mãe e um pai (ou vá um médico ou educador), quer saber ao pormenor quantos meses tem uma criança, a não ser que ainda não tenha 1 ano. OU, quando muito, até aos 2 anos. 24 meses. A esticar muitíssimo a corda, 36 meses. É o limite, minhas queridas. A sério. Parem lá com isso. :)

Roupa C&A



www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

O MEU melhor conselho para recém-mamãs.

É o que mais me apetece dizer quando vejo alguém com um recém-nascido ou alguém quase a parir. Depois lembro-me que, nessa altura, toda a gente se farta de dizer coisas e que nem sempre é bom  ouvir e, por isso, calo-me. Aqui leva comigo quem quiser (e, vendo por alguns comentários, quem parece não querer também - o que é esquisito e algo engraçado).

DURMAM!



Párem de usar aqueles minutos em que finalmente a cria vos dá algum descanso para ficarem a ver televisão e se arrependerem sempre que depois acordam. Párem de ficar agarradas ao telemóvel num sítio qualquer esquisito da casa enquanto eles dormem. Não se ponham a arrumar a cozinha. Esqueçam "aproveitar para por em dia...". Não.

Necessidades básicas primeiro. Façamos aqui uma revisão à pirâmide de Maslow (era um gajo, não dêem muita importância):



Isto quer dizer que o que está na base tem de ser o que satisfazemos em primeiro lugar e com mais atenção (a principal prioridade) porque depois não se consegue chegar a tudo o resto. Pensemos na dificuldade de respirar, por exemplo (que está no nível do sono), sem conseguirmos respirar em condições, pouco nos interessa a criatividade ou a intimidade sexual, digo (apesar de haver quem goste de coisas esquisitas na horizontal, hehe).

Em vez de nos estarmos a preocupar com o conforto de já termos a roupa passada (luxo para quem está cheio de tempo), temos primeiro de assegurar que não temos fome, sede ou... SONO! Ao fazermos batota nesta pirâmide sabem quem é que vai sofrer imediatamente? Vocês. A seguir a vocês? A criança. E nem vou falar do pai que independentemente do tipo de papel que desempenhe vai conhecer o nosso lado mais descompensado - ainda para mais se nos privarmos de sono quando podemos dormir.

Borrifem-se para o telemóvel na hora das sestas. Não interessa a televisão. Nada vos vai saber tão bem como uns minutos para se curarem um bocadinho. Depois até vão conseguir brincar melhor com os bebés, ter mais paciência e até conseguir, se calhar, passar a roupa com ele acordado por terem conseguido pensar numa solução criativa para o entreter.

Durmam.

Já temos desafios que sobrem para esta fase em que tudo nos parece cair ao colo por causa daquilo que o colo do nosso útero (ou barriga) deixou passar cá para fora, não dormir é só complicar desnecessariamente. Obriguem-se. Forcem-se.

Pronto.

Assinado:  A pessoa que se fartava de ver séries de Trash TV na hora de sesta ou a levar o telemóvel para o quarto e ficar 70% do tempo a ver feeds de Facebook e Instagram.



a Mãe é que sabe Instagram

Quem nunca? (7 coisas que nunca pensámos que faríamos e afinal...)

Preparem-se para uma lista infinitamente estúpida, escatológica e arbitrária. 
Mas... 

quem nunca?...



1) deixou que andassem com a fralda tão cheia mas tão cheia que parecia ter um tijolo lá dentro?
no outro dia no parque reparei que a fralda estava quase a bater no chão com tanto xixi


2) fingiu que não estava a ouvir o(a) filho(a) a acordar durante a noite para ver se o outro progenitor era surdo [ou só muita esperto] e lá ia? 
são mesmo surdos ou espertinhos?


3) limpou ranhoca deles com a mão (e depois limpou à própria roupa?)
no avesso para não se ver, claro

- ainda estão aí? -

4) os pôs a ver televisão/tablet para poder comer - ou fazer alguma coisa - descansado?
se os filhos tiverem menos de 1 ano, não vale responder que não [é um AINDA não lol]

5) aparou vomitado com as próprias mãos?
quem diria, numa daquelas noitadas mais regadas e com amigos que coiso..., que um dia teríamos este instinto para com os nossos filhos?!

- a sério, ainda estão aí? 
com a maternidade, deixamos de ser tão enojadinhas, não é? -

6) os deitou directamente na cama, vindos do carro, depois de adormecerem?
salgados ou todos cagados ou transpirados ou o que for, sem jantarem


7) fingiu que não sabia que o filho(a) tinha cocó na fralda para ser o outro progenitor a ir mudar? 
foi só respirar pela boca aqueles 5 minutos ou perguntar se alguém deu um pum (para ver se o outro tinha perdido o olfacto ou se estava apenas distraído [ou é só muita esperto]?)


 Quem nunca, senhoras? Quem nunca?
vá lá, confessem-se. 
Não me deixem mal. ahah



 


www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram

"Mamã" ou "papá" : qual disse primeiro?

A primeira vez que eles dizem as palavrinhas mágicas é uma verdadeira emoção. Talvez já tivesse dito algumas vezes (uma vez talvez tenha dito "mamã" quando estava a ser adormecida pelo pai, mas não contámos essa, por ter sido no meio de muita resmunguice), mas com a clareza com que foi agora, nunca.

Já vos tinha dito que a Luísa, com 15 meses, poucas palavras diz e falei sobre o que sentia em relação a isso e sobre o respeito que tenho pelos timings deles (post muito lido, obrigada!).

Agora, no domingo à noite, antes de ir dormir disse não só "mamã" como "papá" na mesma "frase". "David, ouviste?!",  gritei do quarto. E logo ela repetiu para ele ouvir. É tem repetido todas as manhãs e todos os finais de tarde, quando nos tem juntos. Emoção, emoção, emoção!

E os vossos, qual das duas palavras disseram primeiro?

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

A Irene diz que é o Tomás.

E a sorte que tenho por conseguir ver nos olhos dela que está a brincar. Desta vez já não precisei de ir a livros ou de ler na internet. Ela e eu já temos idade para nos vermos bem uma à outra. 

"Eu sou o Tomás, eu faço xixi pela pilinha e limpo a pilinha!".

Quando está em modo Tomás corrige-me sempre que a trato no feminino ou que a chamo de Irene. Não é filha, é filho. Não é Irene, é Tomás.

Às vezes também é a Paula, a Patrícia e a Matilde (tudo nomes de malta que ela gosta muito), mas o Tomás ganha terreno e é por ser aquele que mais choca, ela sabe. 

Pede-me a toda a gente com quem nos cruzamos para contar que sou o Tomás. Adora ver as reacções. E confesso que eu também, ahah. 

Pelo sim, pelo não vou poupando dinheirinho para uma mudança de sexo do Tomás (mas antes para por estas mamas no sítio - prioridades haha). 

O meu Tomás.


a Mãe é que sabe Instagram



Gritei com ela e não me arrependo.

A quantidade de coisas que juramos a pés juntos que nunca iremos fazer quando somos mães, quando acabamos de ser mães ou até mesmo quando julgamos que já somos mães há tempo suficiente para nos conhecermos enquanto mães... 

Já mudei mais vezes de opinião do que de roupa interior (é uma forma de dizer - mudo de roupa interior diariamente, não se "preocupem") e o que tenho aprendido é que isso não tem problema algum. Cada vez menos fecho portas a novos ensinamentos ou a novos pontos de vista. Não estou sempre certa, ninguém está. Raramente se está. Não há um sempre. Bem, adiante que isto não é um teste de filosofia. 

Cresci a ter a certeza que se algum dia tivesse filhos que não iria gritar com eles. Durante estes três anos praticamente que não usei outro tom de voz com a Irene a não ser um calmo e, às vezes, um calmo que roçava um calmo altamente mamado em comprimidos que, se falassem assim comigo, iria ficar ainda mais passada da cabeça. 

Sei que há as mães que gritam e que vão ler este post e pensar: 

"Ahhhh eu já sabia! Ninguém consegue/deve não gritar em determinadas situações. Eles têm de perceber quem manda! Isso da parentalidade positiva é muito giro, mas é deve ser para quem tem filhos atordoados"

Também sei que há as mães que não gritam e que vão pensar: 

"Está já passou para o lado do demónio. Como lhe gritou uma vez e não se quer sentir culpada, cá está ela a inventar coisas."

Mas também existem as mães como eu: 

As mães que juraram a si mesmas que nunca iriam gritar por já terem sentido medo, por já terem chorado e por não se sentirem compreendidas. 

As mães que querem muito que os filhos se sintam ouvidos, amados e olhados nos olhos quando estão mais vulneráveis e não se conseguem expressar.

As mães que já gritaram aqui e acolá (ou, se calhar, nem gritaram, mas acham que sim) e que se comeram vivas com culpa por estarem a fazer o que juraram que nunca o iriam fazer.

Ontem gritei com a Irene e não me arrependo. 

Ela quer dormir com o ar condicionado ligado (desligo depois de sair) e desconfio que seja para ter a luz dele acesa (daquelas azuis tipo a Wii, sabem?). Não me deixa confortável porque sei que se dispersa mais facilmente e prefiro que estejamos no escuro. E, então, avisei-a que se fizesse mais barulho (depois de alguns minutos de muita paciência) que iria desligar o ar condicionado e que não havia volta a dar. 

Chorou. Chorou e gritou tanto que parecia um episódio da American Horror Story como se (últimoa season) a Condessa (Lady Gaga, by the way) se tivesse envolvido numa luta louca com aquele monstro gosmoso que tem um cone de aço na pélvis (tudo vocabulário que sempre esperei escrever num blog de maternidade #not). A janela estava aberta (sim, viva ao efeito do AC) e pensei que talvez até chamassem a polícia por acharem que estava a tratar dela como se fosse um leitãozinho da bairrada para jantar. 

Deixei espernear um bocadinho. Afinal de contas ela estava muito triste e zangada e fazia sentido, juntando ainda a questão de ser final de dia e de ter sono. Reparei que sozinha não iria parar, que já estava num ciclo. Reparei que a Irene estava a ficar exausta. Lembrei-me do Cesar Milan, um tipo mexicano que é especialista em cães (apesar de dizerem que os mal trata fisicamente, parte do que ele diz parece fazer algum sentido) e usei a técnica dele, a "snap out of it". Como não achei fixe dar-lhe com um calcanhar enquanto ela andava (daí a parte dos maus tratos físicos aos cães, calculo) enchi o peito (era bom que isto fosse literal... haha), engrossei a voz e saiu-me: "IRENE, JÁ CHEGA, IRENE!"). 



Fiquei à espera que ela chorasse mais e que ficasse magoada comigo, mas não. Embrulhou-se em mim, ainda a soluçar, mas um soluçar de quem tinha sido distraída. Expliquei que desliguei o AC para lhe ensinar uma lição e que ela agora sabia que quando a mãe diz que vai fazer é porque vai fazer. 

Ainda pediu várias vezes o AC, mas fui insistente na lição (e com uma vontade enorme de lhe fazer a vontade, mas não podia tê-la feito passar por todo este carrossel de emoções para não servirem para nada) e resultou. No dia seguinte, quando disse "a mãe desliga o AC", depois de lhe dar os minutinhos habituais para ela se passar na cama (a Irene antes de adormecer parece que tem de descomprimir imensa energia, parece ligada à corrente), compreendeu e soube que eu estava a falar a sério. 

Este grito não foi porque eu estava num dia mau. Este grito não foi para ela ter medo de mim ou "para saber quem manda" por eu não conseguir ser criativa por estar cansada ou zangada o que for, foi um grito para a ajudar. Já fiz com bater palmas, mas sinto que a assustei mais com as palmas do que com a voz grossa e mais alta. 

Há de haver dias para os outros gritos e lidarei/lidaremos com isso. 

Nada é certo em todas as situações. Aquela frase que sempre me enervou é verdade: cada caso é um caso. 

Desta vez não me senti culpada por gritar.

Nunca me esquecerei, porém, do que senti sempre que gritavam comigo e do que ainda sinto por "uma vez" terem gritado tanto. Não é sistema, é sintoma.

Não vou activar um sistema auto-carnívoro da minha filha em que ela grite sozinha com ela o resto da vida. Não vou activar um sistema auto-carnívoro da minha filha em que ela grite sozinha com ela o resto da vida. Não vou activar um sistema auto-carnívoro da minha filha em que ela grite sozinha com ela o resto da vida. 




Fotografia: The Love Project 
Pulseira: Portugal Jewels
Smartwatch: Fóssil 


a Mãe é que sabe Instagram



Como está a correr a vida em Santarém?

Ninguém perguntou, mas já soube que algumas pessoas se mudaram para o campo depois da minha mudança. Não me posso sentir a responsabilidade desse passo, como é óbvio, mas fico feliz se correr tão bem como tem corrido connosco.

Não vão ouvir aqui só passarinhos. Nem sempre é bom (como em tudo na vida). Tenho melgas em casa e toda a espécie de bicharocos (até um morcego...), uma casa destas requer maiores cuidados e limpezas, não tenho amigos por perto, etc, etc, etc. Mas o que é bom, não é bom, é óptimo.

A vida é mais calma, não perdemos tempo no trânsito, há imensos parques espalhados pela cidade e vamos variando, se não formos passear depois da escola, há sempre flores para regar em casa e festas para fazer aos cães, as caras são-nos mais familiares... é bom, muito bom.

As miúdas são felizes aqui. Sê-lo-iam provavelmente numa grande cidade porque o mais importante não é onde estamos, mas com quem estamos. Mas há algo em mim que me diz que esta ligação à terra, irem apanhar amoras, ir à horta da vizinha apanhar feijão verde, andarem descalças na rua lhes dará memórias para a vida. 

Agora que a Luísa foi para a escola, tenho tido mais tempo para a casa e para mim, assim como para o blogue e outros trabalhos (escrevo e faço locuções), e, apesar de ter de ir algumas vezes a Lisboa e voltar, faz-se bem. Tenho 6 horas sem elas para gerir (e acreditem, passa a correr), mas, apesar desta fase de adaptação ter sido difícil até para mim, já percebi que vamos ser muito felizes este ano. 
Estou confiante. 

Por isso, a resposta à vossa pergunta imaginária: a vida em Santarém está a correr bem. 










 


www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram