quarta-feira, 31 de maio de 2017

Acabou-se o que era doce!



Se conseguimos que, durante três anos, a Irene só tivesse sido acordada por causa das horas ou obrigações menos de uma dezena de vezes, já é muito bom. Tento dar-lhe aquilo que não posso ter ou que não tive. Odeio ter que acordar antes de ser necessário, odeio que me acordem, odeio, sempre odiei. 

Fiz muitos anos horários em rádio em que tinha que impreterivelmente acordar à hora certa e até antes da hora para garantir que nada corria mal. Só quando deixei de fazer programa a essas horas é que me apercebi da libertação - não que chegue atrasada, mas não ter que ser responsável por coisas que não consigo controlar. Deixou de haver tanto stress. 

A Irene não teve, até recentemente, de ser acordada com frequência. Teve com o pai em casa um ano, um ano e meio comigo e mesmo este ano em que entrou para a escola, o pai não tinha compromissos de manhã que o obrigassem a ser rigoroso com as horas em que a entregava. 

Agora, porém, somos só nós as duas (separei-me). A organização tem que ser outra. No final da última semana e no inicio desta os meus dias estão a ser um caos por não por o despertador. Ela, que normalmente acorda entre as 6 e as 7h30, está a acordar às 8h30 e às 9h e isso faz com que tenha de abdicar de muita calma do meu dia, que faça tudo a correr e não consiga sequer fazer tudo. 

Isto além de não conseguir brincar com ela na escola antes de sair e de passar a manhã toda a dizer "estamos atrasadas, despacha-te" - que, mais uma vez, odeio.

A partir de agora vai haver relógio e até um bocadinho antes do necessário. Para ter uma boa manhã. Para ela tomar o pequeno almoço com calma. Para poder penteá-la enquanto canto ou conto algo e não para ser uma corrida em que, com a pressa, até a magoo.

Acabou-se o que era doce. Amanhã, o nosso despertador tocará às 7h30.


Coisinhas giras: 

Fotografias - Joana Hall


Colar do coração e brincos - Our Sins 

Relógio - Timex 



✩✩✩✩✩✩✩✩✩✩

Sigam-nos no instagram 
aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 

27 comentários:

  1. Ohh naooooo...Mas nao fica maldisposta? O meu filho fica se acorda-lo antes de ele acordar sozinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, eu também fico. E o menu patrão recusa-se a compreender, aquele ser vil e cruel.

      Eliminar
    2. E eu? então não é que detesto acordar com o despertador? adoro acordar sozinha, por volta do meio dia, mais coisa menos coisa! Ehehe! Acordo maldisposta mas é a vida! Curiosamente e por muito estranho que pareça os meus pais sempre me acordaram, é triste e complexo, mas é a vida!
      Sandra

      Eliminar
    3. E eu? então não é que detesto acordar com o despertador? adoro acordar sozinha, por volta do meio dia, mais coisa menos coisa! Ehehe! Acordo maldisposta mas é a vida! Curiosamente e por muito estranho que pareça os meus pais sempre me acordaram, é triste e complexo, mas é a vida!
      Sandra

      Eliminar
  2. Bem-vinda ao mundo real, Joana!

    ResponderEliminar
  3. Benvinda ao mundo real!

    ResponderEliminar
  4. Uau, a filha de 3 anos e tal vai acordar cedo como o resto do mundo, o drama, o horror...Oh Joana, sente mesmo isto como uma coisa chata ou é só para encher chouriços? Genuinamente curiosa...

    ResponderEliminar
  5. Sei exatamente o que é isso. Aqui o marido sai às 7h30 no máximo por isso também somos só nós duas. Sim, acordo muito mais cedo para preparar tudo o que possa antes de a acordar e depois acordo-a a ela com muita calma e amor. Na idade da minha (2,5a) e com o desfralde em curso, há sempre atrasos de manhã, mas consigo acordá-la sempre com beijinhos, serenidade porque sempre odiei o tom frenético pela manhã. E sim, assim ela veste, toma o seu pequeno almoço nas calmas, ainda brinca um bocadinho e saímos sem correrias para que o dia comece bem :)

    ResponderEliminar
  6. Olá Joana. Essa é a realidade de inúmeras famílias, com ou sem marido em casa é preciso despachar as crianças de manhã. Tal como a amamentação é, para si, uma rotina, só tem de criar outras (mais razoáveis).

    ResponderEliminar
  7. Belo post de publicidade....

    ResponderEliminar
  8. A realidade de quase todas as famílias.

    ResponderEliminar
  9. Vai correr tudo bem...
    Acho que eles se adaptam muito melhor do que nós.
    Deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e faz crescer, pensamento positivo Joana.
    A minha tem dias que lhe custa um pouco, mas na maioria acorda sempre bem disposta... tenho 10 minutos para acorda-la com beijinhos bons e doces e acorda sempre com um sorriso :) outras vezes, ela acorda com a movimentação em casa...
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Mas nos dias com o pai continuará a ter essa "liberdade" de horários, não? Nos dias consigo adapta-se com certeza a ajuste de horas :)

    ResponderEliminar
  11. Aos dias de semana nunca foi de outra forma para mim e para a minha irmã: Acordar às horas dos pais para ir para a avó ou para a creche! É o que se chama mundo real :)

    ResponderEliminar
  12. Uma curiosidade: na creche deixam os pais entrar na sala e ficar a brincar, é isso?

    ResponderEliminar
  13. Se realmente lessem os posts da Joana, saberiam que desde sempre a Irene acordou cedo, entre as 6 e as 7:30,(mesmo quando a Joana estava em casa), lembro-me de pensar frequentemente, "coitados"- A Miúda acorda tão cedo.
    Tenho dois, um que frequenta o infantário e outro o primeiro ciclo, mundo real portanto, e não preciso de os levantar de madrugada.
    Sim, a Joana separou-se e como tal a vida, as rotinas terão que ser alteradas e adaptadas à nova situação, penso que como é normal.
    Não entendo é tanto azedume nos comentários.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, demasiado azedume.
      Anónima Catarina

      Eliminar
  14. Não é azedume, eu não conhecendo a Joan a simpatizo com ela e apenas acho que ela não relaxa, parece querer controlar tudo. Não são críticas, Mas é demasiado possessivo

    ResponderEliminar
  15. Welcome to the real world.

    ResponderEliminar
  16. Mas ao haver separação dos pais há também dos filhos. A Joana tem falado da separação como algo natural, mas depois coloca posts como se fosse completamente sozinha com a Irene. E o pai?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não percebi! Quer que eu fale do pai do qual me separei? lol

      Eliminar
  17. Não percebi! Quer que eu fale do pai do qual me separei? lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Joana escreve como se o pai da Irene tivesse desaparecido da vida dela. Que calculo não seja o caso mas às vezes a sua escrita indicia isso.

      Eliminar
  18. Confesso que também detesto acordar a minha, até porque é uma criança que dorme tão pouco que quando dorme até me apetece bater palmas. Mas é a vida real e não vale a pena pensar muito no assunto ou problematizar muito a coisa. Aproveito para comentar aqui um outro post que fez em como vivia a Irene intensamente. Na altura li mas não consegui comentar. Mas acho que tem toda a relação com este e com a sua separação. Acho que a Joana não consegue perceber que quando dizemos que é possível viver intensamente um filho sem ser com essa ansiedade toda e sem descurar uma relação e a pessoa que eramos antes. Não digo que seja fácil! Só acho que "caiu no erro" de achar que quem dizia que estava demasiado apegada à Irene que eram pessoas pouco apegadas aos filhos. Não tome isto como uma crítica. Mas para mudarmos para melhor é preciso aceitar que nem sempre estamos certos. Tudo a correr bem!

    ResponderEliminar
  19. Cada um com os seus dramas. :-)
    Coragem! É experiência acrescida ;-) ao currículo das duas.

    ResponderEliminar