Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens

domingo, 17 de dezembro de 2017

3 coisas que me enojaram esta semana.

Sim, sim. Que me causaram asco, repugnância, que me envergonharam. Vergonha alheia.

1) Raríssimas 
Senhora dona Paula (Brito e Costa, que a senhora tem dois nomes), herdeiro da parada e família Lda, secretário de estado da Saúde, gambas e vestidos de luxo. Deu-me para rir, deu-me para me indignar, mas deu-me principalmente para ficar extremamente envergonhada, principalmente com os vídeos (de skype?) divulgados .- que, noutro contexto me pareceriam devassa da vida da senhora, mas que aqui ajudam a construir e a traçar a personagem que ela é. E aquela história das funcionárias se terem de levantar à passagem dela, lembrei-me agora, hein? Tudo bom demais, de rir para não chorar. Porque o triste episódio que motivou a Raríssimas, até aqui vista de uma forma tão benemérita, ter conduzido até esta telenovela degradante é de um  A minha tristeza vai para o facto de recear que muita gente deixe de ajudar causas e associações por achar que são todas farinha do mesmo saco.

2) Carrilho absolvido
Estou muito longe de conhecer o caso a fundo, de proximidade com a Bárbara apenas as entrevistas profissionais que lhe fiz (e o comprovar de uma simpatia imensa), apenas li o que o Carrilho disse nas inúmeras entrevistas nojentas que deu, mas tudo isto me cheira a esturro desde o início. E as novas citações da juíza fazem-me tremer a pálpebra do olho direito de nervos. Ora então a juíza Joana Ferrer não acha plausível que a Bárbara tenha sido vítima de violência doméstica porque não se entende como é que uma mulher destemida, determinada e auto-suficiente não foi ao Instituto de Medicina Legal na altura das alegadas violências. E não entende como é que a Bárbara deu, durante esse tempo, entrevistas em que parecia estar feliz. Isto é entender ZERO de violência doméstica, da vergonha e do medo que causa na vítima, e custa-me imenso que, no século XXI, ainda se use argumentação tão cheia de estereótipos e preconceitos. E, pelos vistos, há uma tendência preocupante, pelo estudo de uma investigadora: os tribunais têm dificuldade em ver mulheres com personalidade forte e independência financeira como vítimas (artigo interessantíssimo aqui: Quem não parece vítima tem menos hipóteses de ser considerada uma). Esta humilhação toda, este descrédito nas entidades e a falta de força que estas decisões podem significar para quem esteja a passar por algo semelhante (e a força que dá a agressores) deixa-me angustiada e revoltada. 

3) IURD
Adopção ilegal, pastores milionários, as vasectomias impostas aos bispos, os falsos seropositivos... Ainda não consegui ver todos os episódios até aqui emitidos (estou no 5º), mas já percebi que entretanto dois dos irmãos já vieram falar no canal do youtube da Igreja Universal do Reino De Deus (o outro morreu de overdose, mas eles dizem que foi de ataque de coração) a dar conta da legalidade com que tudo aconteceu (coitados). Ainda bem que o Ministério Público está a investigar o caso mas já vai tarde. Vi tudo aquilo com o coração nas mãos, a ser verdade muito do que ali se conta. Nojeira mesmo. 


Bem, resta-me olhar para as luzinhas de Natal e para os sorrisos das minhas filhas para tentar encontrar alguma inocência e candura nisto tudo. Semana louca para o meu estômago. Revolveram-se-me as entranhas. 


Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram


Faltava-me isto para ser feliz.

Sou um desapontamento para algumas de vocês. Contei-vos aquela história linda de deixar o trabalho, Lisboa, a nossa casa e de termos ido para o campo, por amor às minhas filhas e por mim. Ouviram o chilrear dos passarinhos, viram as lambidelas dos cães todos os dias, cheiraram as flores e as árvores através de mim. Viram-me respirar fundo. E, acima de tudo, viram-me aproveitar bem as minhas miúdas. Estive um ano e três meses a cheirar o cabelo da Luísa, vi-a fazer tudo pela primeira vez, estive atenta a todos os pormenores, amamentei-a sempre que quis, dormi sestas com ela. Fui levar e buscar a Isabel à escola em horário mais reduzido, durante um ano e meio. Aproveitámos bem as manhãs, tomámos o pequeno-almoço juntas, fomos ao parque depois da escola. Pude ficar com elas em casa dias e dias quando estiveram doentes e mais precisaram de mim: não tiveram de ir ainda meias combalidas para a creche, das poucas vezes que aconteceu, felizmente, ficaram em casa até estarem a 100%. Pude fazer Baby Led Weaning com a Luísa, vê-la explorar e provar cada alimento novo com calma e paciência. Pude ir a todas as consultas sem ter de pensar a que dia calhavam e se me iria prejudicar no trabalho. Pude... tanta coisa. Tudo isto não me teria sido possível se tivesse cá ficado, se tivesse continuado a trabalhar. Foi, volto a dizer, a melhor opção para mim, para elas, para todos, enquanto família. Houve esforços de parte a parte. O David, que fazia centenas de kms para o trabalho e que chegava roto a casa. Eu, que tinha dias em que me apetecia ter uma pausa na vida de casa e de mãe. A família, toda, que ajudava sempre que era necessário: avó, tia, mãe. Foi também por isso que procurei aquele lar e aquela família, para ter a rede que me faltava em Lisboa. Tudo isto foi importante para aquele primeiro ano e meio da Luísa.
Até que... chegou uma altura em que precisei de ter novos desafios na minha vida. E em que, pesando tudo na balança, percebemos que me/nos estava a fazer falta ter um trabalho fixo e estável, seja lá isso o que for. Ainda ponderámos ficar a viver em Santarém, mas com dois adultos a trabalhar em Lisboa e ficando dependentes da minha mãe para tudo (vai levar, vai buscar), não seria viável, por inúmeras razões. Fez-se luz: voltamos todos a Lisboa. O que mais importa é estarmos os 4 juntos, a pouca distância uns dos outros, a partilhar a cama de manhã, o pequeno-almoço e o jantar, os banhos, as histórias e os mimos. Era isto que, nesta fase, nos parecia fazer mais sentido.

E faz. Faltava-me isto para ser feliz nesta fase. Estar a trabalhar, estar com adultos, aprender coisas novas, desafiar-me, dizer uns disparates a meio do dia, sair para almoçar e conversar com pessoas, ter vontade de me arranjar. Estar perto dos meus amigos, poder ir a uma jantarada sem ter quilómetros por fazer depois. Estar perto do David, jantarmos os quatro juntos quase todos os dias.

Claro que se perde algumas coisas. Claro que sim. Claro que me enervo se apanho trânsito. Claro que nem sempre estou fresquinha no trabalho depois de ter acordado 5 vezes numa noite. Claro que as miúdas passam menos tempo comigo. Mas em compensação passam mais com o pai, que foi pela primeira vez na vida da Luísa, sozinho com ela a uma vacina, por exemplo. Isto também é bom. Isto também é importante. Há um contrabalanço para tudo.

E, a ajudar a isto, encontrei uma escola para elas que me enche completamente as medidas. Este projecto educativo (MEM) faz-me muito sentido, o facto de encararem cada miúdo em toda a sua individualidade, o ambiente, a filosofia, adoro o facto de saberem o meu nome e de entenderem a família como parte integrante do projecto, o facto de poder entrar na cozinha e tirar um copo de água, o facto de terem ioga, o facto de numa semana terem ido ao CCB, ao Pavilhão do Conhecimento...,  bem... não saía daqui. No início do ano, quando fizer um mês, falar-vos-ei melhor da forma como foi feita a adaptação delas à escola.

E é isto. Faltava-me isto, nesta altura, para ser feliz. Não sei se isto me fará sempre feliz (haverá isso por aí?), mas para já há que aproveitar bem a mudança e os bons ares que nos trouxe. E a calma que me trouxe, mesmo com a agitação do vai pôr e do vai buscar, as novidades constantes no trabalho. Estou mais calma, já mo disseram. Pois estou. E mais feliz.

{e as miúdas estão bem}




Coisinhas de que possam ter gostado:

Camisola - Modalfa
Calças - Zara
Botas - Zilian 


Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

5 coisas que eu não gosto no Natal

Adoro o Natal. Sou pessoa para ir no carro feliz da vida a ouvir as músicas batidíssimas. Sou pessoa para só desfazer a árvore lá para 20 e tal de Janeiro, cheia de pena. Sou pessoa para adorar distribuir os presentes à meia noite, depois de já estar tudo refastelado de tanta comidinha. Mas é uma época agridoce, por razões parvas mas por outras um bocadinho mais sérias. Eis as coisas que não gosto muito no Natal:

- Não gosto de já não acreditar no Pai Natal. Metade da magia foi-se no dia em que descobri, ora bolas. No entanto, consegui recuperá-la no dia em que deixei migalhas de bolacha e leite para que a Isabel pensasse que tinha sido o Pai Natal, à sua passagem lá por casa. Impagável aquela expressão nos olhos.

- Não gosto da falta que as pessoas que já se foram nos fazem, principalmente do meu tio Jorge, que partiu cedo demais, há quatro anos, e que animava a sala inteira com aquele vozeirão e aquelas gestos de maestro.

- Não gosto de andar a saltar de capelinha em capelinha, entra e sai do carro, viagens grandes no dia de Natal, mas para nós é importante estar perto de todos os que nos são próximos, por isso, faz parte, o resto compensa.

- Não gosto da fruta cristalizada grande por cima do Bolo Rei (blecc) nem de ficar a pesar mais 3-5 kgs depois das festividades (quem manda ser gulosa, gulosa, gulosa?).

- Não gosto do consumismo desenfreado nesta altura do ano, não gosto, não gosto. Acho um exagero e que cada vez mais faz sentido oferecer-se presentes só às crianças (e com moderação!) e, dando aos adultos, só à família mais nuclear. Já o faço há uns anos, continuarei a fazê-lo.










Decorações de Natal - Momentos Com Design

Fotografias - The Love Project


Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram
 

Já é Natal cá em casa!

Luzinhas, árvore na parede, casinhas de cartão, coroas, suportes para velas, vinil no vidro da sala, uma mini-árvore em cartão, um calendário do advento e palavras com aquilo que mais importa nesta época. Dito assim, parece muita coisa, mas acho que as nossas decorações de Natal estão tal e qual o que eu queria: simples, minimalistas, especiais. Desafiei a querida (é mesmo querida!) Filipa da Momentos Com Design a deixar a nossa casa mais bonita e ficou tudo ainda melhor do que eu tinha imaginado. Está acolhedor, mágico. Nesse mesmo dia tive cá amigos a jantar e queriam levar tudo para casa deles. É que nem pensar. Podem encomendar alguns destes elementos na página do Facebook da Filipa e contratá-la para decoração de festas, de eventos: ficam tão bem entregues, palavra!

Para retratar este ambiente, claro que não podia cá faltar a Joana Bandeira do The Love Project, que vai acompanhando o crescimento destas garotas e registando os momentos mais importantes das nossas vidas. Uma excelente prenda de Natal é um voucher com uma sessão The Love Project para oferecer! Fica a sugestão.


Preparados para 30 fotografias, no mínimo, com espírito de Natal? Ho-ho-ho!

Os vestidos deste Natal são da Kolor Kids
  Laços Lemon Hair Lovers

















Só para avisar que eu "estraguei" esta árvore de natal na parede fantástica, pondo-lhe uma gambiarra preta, ok? Mas à noite fica bonito!










Olhem só os fofos.










Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Fim-de-semana cheio de coisas boas e segunda-feira sem ansiedade.

Há fins-de-semana em que não quero marcar nada. Ficamos por casa a fazer bolachas, a pintar, a dançar e a conversar. A fazer as lides, umas vezes com mais vontade que outras. A fazer cócegas, todos de pijama. Esse tempo faz-nos falta, como família. Mas depois há outros em que me apetece aproveitar tudo e ter o melhor dos dois mundos. Ir à rua apanhar sol, ou fugir da chuva, estar com amigos, com família, ir ao cinema, fazer uma refeição fora (e a verdade é que fora de casa parece que elas fazem menos birras, sem falar que sabe bem às vezes não nos preocuparmos com a loiça...).  Este fim-de-semana sentimo-nos de volta à cidade que nos viu partir há quase dois anos. Sabe bem estar de volta. Receber os amigos em casa para um sushi, com as miúdas já a dormir, ir ao cinema só com a Isabel (fomos ver o Estrela de Natal), ir tomar o pequeno-almoço fora, ter o avô a contar-lhe uma história, fazer peixinho no forno, ir visitar a avó com os tios, ir às compras, decorar a casa para o Natal... houve de tudo. E nem sequer senti que tenha sido uma correria. Foi bom, completo. 2a feira chegou e com ela uma semana cheia de memórias.

Antes de nos decidirmos vir para Lisboa, andava a ficar nervosa com a chegada das segundas-feiras, dia em que ficava deprimida e ansiosa por me sentir sozinha. Sozinha em casa. Horas e horas em que não abria a boca para falar, a não ser que fizesse stories. Não queria mais aquele silêncio todo, já não me estava a fazer sentido. Agora, apesar do tempo parecer correr muito depressa, sinto que todos os minutinhos contam, nem vos sei explicar. Estava na hora.

Fiquem com o meltingpot do fim-de-semana:

O avô contou duas vezes a história A Estrela do Mar, da Fernanda Velez, à Isabel. Muito querida!

Jantar em casa: Sushiiiiiiiiiii.

Com uma das (ou A) mulher mais bonita de Portugal, por dentro e por fora. Uma inspiração!
Apanhada a comer ou a armazenar comida nas bochechas. Foto da Rita Ferro Alvim.


No Corações com Coroa Café, um projecto que têm de ir conhecer em Belém!

Mãe, o filme do pai, os "Stauós"!

Amanhã mostro-vos as decorações de Natal e a sessão em casa com estas miúdas <3 com The Love Project



E vocês, o que fizeram no fim-de-semana? Já começaram a despachar as prendinhas? Por aqui ainda nada, para não variar... ;)



Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram

domingo, 10 de dezembro de 2017

Vejam estas imagens e vão lá procriar.

Apeteceu-me escrever este título, que marota que eu sou. 

Ontem, quando estávamos no Corações com Coroa Café, que, já agora, aconselho vivamente (além de ser um espaço muito agradável e a carta estar nas mãos do Chef Kiko, estão a ajudar a associação que, por sua vez, ajuda mulheres e meninas, tendo um papel preponderante no futuro destas, e por isso, de comunidades e de gerações futuras), uma pessoa disse-me que nunca tinha visto irmãs tão amorosas, a darem-se tão bem. Concordo. Muito queridas, muito meigas, uma ternura. Foi ver a Isabel a receber a irmã, que chegou mais tarde, a ir mostrar-lhe o espaço, de mãos dadas. É de um encanto e de uma magia sem fim. Era bom que esta história acabasse assim. E acaba. Mas, pelo meio, há safanões, palmadas, birras de meia noite. Faz parte. Gostava de ajudá-las a entenderem-se melhor, mas faz parte, digo eu. Acaba sempre em bem, mais não seja porque acabam por se distrair das quezílias. Passado um bocado, lá estão elas a brincarem, a fazerem estragos juntas, a jogar às escondidas à maneira delas. Apanhei-as hoje a dançarem e cantarem ao espelho. A Isabel a tocar guitarra e a Luísa a dançar. As duas a brincar com os coelhinhos na casa. As duas a saltar na cama (calçadas, blecc, culpa minha). Vejam estas imagens e vão lá procriar, caso estejam com dúvidas pequeninas (se tiverem das grandes, não o façam. Quer dizer façam mas com precauç... Bem vocês sabem). Ter dois seres destes, que são um trabalho do caraças mas que nos dão uma alegria imensa, foi a MELHOR DECISÃO das NOSSAS VIDAS.
Pronto, já disse. 










Coisinhas de que possam ter gostado:
Roupa: Tsuru
Guitarra: Fragosa 


Sigam-me também aqui: 


a Mãe é que sabe Instagram

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Pedido de desculpas à mãe que nos convidou para o aniversário da filha

Há cerca de um mês e meio, talvez, recebemos um convite para o aniversário de uma coleguinha da creche da Luísa. Achei engraçado, pensei que era muito simpático, levei o convite para casa e... Nunca mais me lembrei dele.
Nem dele, nem na data, nem de responder.
Eu ficaria zangada ou triste se as pessoas não se dignassem a responder ao meu convite para um aniversário. Com um não ou com um sim, o mínimo é haver uma mensagem, uma chamada, algo a agradecer. Parece-me óbvio que a boa educação assim o dite. Boa educação ou só um bocadinho de sensibilidade.

No entanto, eu não as tive. Nunca mais me ocorreu. Isso não faz de mim má pessoa, faz de mim uma pessoa que falha. Eu não sei se não teria ficado fula com alguém que não se desse ao trabalho de sequer responder, mas a verdade é que, nesta vida corrida e tão cheia de tudo, às vezes podemos esquecer-nos. Não invalida que saibamos pedir desculpa.

E vocês? Como reagiriam?



Sigam-me também aqui: 


a Mãe é que sabe Instagram

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Carta de um pai para a filha

"Lembro-me de ti…
Lembro os nossos momentos em frente ao espelho quando te enrolava metodicamente o cabelo, o teu olhar vaidoso quando te dizia que nunca tinha visto ninguém tão bonito;
Lembro quanto te vesti o macacão colorido comprado na zara, pedi para rodares e tu rodopiaste;
Lembro as nossas boleias, surfadas atabalhoadamente nas ondas da Cabana do Pescador;
Lembro quando te aconchega à noite;
Lembro as horas infindáveis e os passeios no quarto quanto te socorria as cólicas nocturnas, deitava-te sobre o meu braço, tão pequena que eras;
Lembro-me do teu choro;
Lembro-me das tuas gargalhadas, do teu olhar feliz;
Lembro-me quando dançavas, trémula ao início, com aquele olhar do tipo… sou linda?;
Lembro-me quando cantavas, quando todos os meus sentidos se guardavam para ti;
Lembro-me de chorar e de rir com as tuas conquistas;
Lembro os teus beijos, os teus abraços e quando dizias gosto muito de ti;
Lembro quando deitavas a cabeça no meu colo, e o quanto isso me apaziguava;
Lembro-me de pensar que iria sempre lembrar todos os nossos momentos juntos;
Lembra-me para nunca esquecer o que é tão bom lembrar!"

Pai.


Obrigada, pai. 
Lembrar-te-ei para nunca esqueceres o que é bom lembrar. Lembrar-te-ei para que me contes sempre todas as histórias e todas as emoções. E para que as vivamos sempre, mais uma vez.

Agora, já com filhas, sei - sei na pele, nos olhos, no corpo todo - do que te queres lembrar. Para sempre. E vejo-me nelas, há 30 anos, no teu colo. É como voltar a ele. Voltar a nós. 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

À minha amiga que perdeu a bebé, antes que ela nascesse.

Escrevi, há um ano e meio, esta carta à minha amiga que perdeu a bebé. Há uns dias essa amiga deu a cara, pela primeira vez, para falar publicamente sobre este assunto, ainda tabu na nossa sociedade. Não queremos falar da morte, fugimos dela a sete pés, não deixamos que os outros façam o luto, não sabemos enfrentar uma mãe e um pai que perderam um filho, antes dele nascer. E começa logo nos hospitais, com o pessoal de saúde, muitas vezes com pouca sensibilidade para o tema. Não há sequer infraestruturas para que uma mãe que tem de passar por um pesadelo destes não tenha de estar lado a lado com mães que acabaram de ter os seus filhos. Ouvem chorar, ouvem o milagre da vida acontecer, mas vão para casa sem os seus bebés, com o colo vazio. Depois, amigos e família, que se apressam a dizer que tinha de ser assim, que a natureza é sábia ou que não tarda muito virá aí outro bebé... 

É certo que neste blogue celebramos a vida, desanuviamos com disparates, mas sinto necessidade de chamar a atenção para esta questão também, que se tornou minha, há ano e meio. 

A história da minha amiga e a história de muitas outras mulheres, aqui

A carta que lhe escrevi há um ano, longe de saber todos os pormenores. 

Corajosa, Manuela. 

Alice dos nossos corações.


"Vivi, no final desta gravidez, um sentimento contraditório enorme. Uma amiga perdeu a bebé, já com 26 semanas de gestação. Não conheço a dor de perder um filho. Quando recebi a notícia, a sentir vida a pulsar dentro de mim, no meio de pontapés e mais pontapés, foi desolador. A vida e a morte, ali, frente a frente. E eu, do lado bom, da sorte, da felicidade, da vida...

Escrevi-lhe um texto e resolvi agora publicá-lo também aqui, para as dezenas de mulheres que têm de passar por esta dor e que dizem ser muito difícil de sarar. Uma dor tantas vezes incompreendida pelos outros, como se um filho não fosse sempre um filho... 

"Quis estar contigo hoje, dar-te aquele abraço, umas festinhas, partilhar as minhas lágrimas e o meu olhar de dor contigo, falar-te baixinho, passar-te a minha força. Não pude estar presente - já não estou autorizada a fazer viagens de carro para longe sozinha e não consegui companhia. 
Mas quero que saibas que me despedi da tua filha, daqui. Abracei-te mil vezes e pedi que a tua tristeza desaparecesse, todos os dias, um bocadinho mais. Não sei o que é estar aí, nesse lugar, no teu lugar. Nem me consigo colocar na tua pele, de tão grande que é o aperto. Nem estou perto de imaginar que dor é essa. Felizmente. Infelizmente para ti, tiveste de ser tu a passar por ela. "Acontece muito", "a natureza é sábia": vais ouvir de tudo e nada vai parecer amenizar essa dor. Chora, revolta-te, manifesta-te, grita, pergunta porquê, porquê tu, porquê a tua A. Faz o luto. Pede ajuda. Pede abraços. Pede silêncio. Vive, mesmo que pareça que nada faz sentido. Não faz sentido. Mas estás cá. Eu estou cá e cá estarei para te ouvir, quando quiseres. Cá estarei e o meu coração - e o que bate dentro de mim - será sempre um bocadinho teu."


Força, força a todas as lutadoras desse lado. Algumas delas - porque sentimos que é preciso dar rosto à perda gestacional - partilharam as suas histórias connosco, neste post: Bebés que não chegam a nascer.

Se precisarem de ajuda, não hesitem em contactar o Projecto Artémis.


Sigam-me também aqui: 


a Mãe é que sabe Instagram