Mostrar mensagens com a etiqueta the love project. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta the love project. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Já é Natal cá em casa!

Luzinhas, árvore na parede, casinhas de cartão, coroas, suportes para velas, vinil no vidro da sala, uma mini-árvore em cartão, um calendário do advento e palavras com aquilo que mais importa nesta época. Dito assim, parece muita coisa, mas acho que as nossas decorações de Natal estão tal e qual o que eu queria: simples, minimalistas, especiais. Desafiei a querida (é mesmo querida!) Filipa da Momentos Com Design a deixar a nossa casa mais bonita e ficou tudo ainda melhor do que eu tinha imaginado. Está acolhedor, mágico. Nesse mesmo dia tive cá amigos a jantar e queriam levar tudo para casa deles. É que nem pensar. Podem encomendar alguns destes elementos na página do Facebook da Filipa e contratá-la para decoração de festas, de eventos: ficam tão bem entregues, palavra!

Para retratar este ambiente, claro que não podia cá faltar a Joana Bandeira do The Love Project, que vai acompanhando o crescimento destas garotas e registando os momentos mais importantes das nossas vidas. Uma excelente prenda de Natal é um voucher com uma sessão The Love Project para oferecer! Fica a sugestão.


Preparados para 30 fotografias, no mínimo, com espírito de Natal? Ho-ho-ho!

Os vestidos deste Natal são da Kolor Kids
  Laços Lemon Hair Lovers

















Só para avisar que eu "estraguei" esta árvore de natal na parede fantástica, pondo-lhe uma gambiarra preta, ok? Mas à noite fica bonito!










Olhem só os fofos.










Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Quando foi a última vez que cuidaram de vocês?

Quando trabalhava em televisão, e tinha menos uma filha, tinha a vida mais facilitada neste sentido. Como fazia reportagem, havia pelo menos uns 3 dias por semana em que chegava cheia de olheiras ao trabalho e meia despenteada e numa hora ficava com aquele ar de que não era nada comigo: maquilhada, penteada e com o ego mais insuflado. Aqueles minutos numa cadeira de olhos fechados entregue às mãos de quem sabe eram um mimo. Não que precise de tudo isso, sempre, para me sentir de bem com a vida (porque por fora podemos estar lindas e por dentro em cacos), mas ajuda-me. Sinto-me mais confiante e isso instala-se de alguma forma em mim e dá-me mais segurança. Gosto de ser mimada. Às vezes basta-me ir lavar o cabelo. Cortar umas pontas. Tirar 40 minutos num mês para mim. Como não tenho tido tempo para ir ao ginásio (que falta me tem feito o meu Scape, Deus Meu!) e muito menos para massagens ou tratamentos mais demorados (adorava, mas não dá), ir arranjar umas unhas ou fazer uma hidratação pontualmente sabe-me pela vidinha. 

Vou sempre à Catarina, do Cut by Kate, que já é o "meu" cabeleireiro em Santarém. Boa pinta, gente simpática, óptimos produtos (para grávidas e para quem está a amamentar, há imensa oferta!, com produtos naturais), e excelentes profissionais. 

Quando foi a última vez que cuidaram de vocês? 
Não percam essa vontade. Pode estar a fazer-vos falta. Pode ser aquele cafuné que vos dá força para mais uma semaninha de más noites e que vos faz sentir: "eu também cá estou".















Fotografias no dia desta sessão em Santarém - The Love Project

Madeixas louras, ondas, maquilhagem - Cut by Kate

 
Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Ainda mama?

16 meses. Mama. E acho que é a coisa que mais gosta de fazer na vidinha dela.

Eu também gosto. Muito. Menos durante a noite, confesso (ainda se fosse de 3 em 3 horas ou 4 em 4 horas... mas não, é quase de hora a hora) - calma, não são todos assim, não vamos culpar a mama (provavelmente sem mama também acordaria), e, assim que passe o período de adaptação à escola, iremos a uma consulta tentar descortinar o que se passa e ver se há coisas, que não sejam agressivas, que se possam fazer para melhorar as nossas vidas.

Não me espanta o espanto com que reagem ao facto da Luísa ("ainda") mamar. As pessoas não estão habituadas a ver. Perdeu-se, ao longo dos anos, esta partilha, principalmente no ocidente. Por isso, considero importante fazê-lo, com naturalidade, quando tiver de ser. Já houve sítios onde a distraí com outras coisas porque não me apetecia; mas, na maioria das vezes, não me incomoda absolutamente nada. Percebo que cause estranheza - já anda, já come com a própria colher, já parece tão autónoma e "ainda" mama? Habituámo-nos a achar que só os bebés até aos 6 meses mamavam (máximo dos máximos, 1 ano...). Mas, não, os bebés devem mamar, caso a mãe queira e tenha essa possibilidade, no mínimo, até aos dois anos. A partir daí, acontece o desmame natural que se poderá situar, segundo estudos antropológicos, entre os 3 e os 8 anos. Isto seria o "desejável", mas defendo que não tem de ser necessariamente a nossa escolha.

Todas conhecemos uma tia, uma avó, uma vizinha que deu de mamar até tarde, até o puto "ir para a escola". E, lá está, por falta de hábito, achámos estranho. Eu, com uns 19 anos, confesso, achei estranhíssimo quando uma miúda se levantou da sua cadeira e foi pedir maminha à mãe. Preconceito meu. Falta de hábito. Desinformação.

Agora, e respeitando quem não o queira - ou não possa - fazer, respeito igualmente quem faz amamentação prolongada. Já não me causa estranheza. Já sei que é normal. Que não é sinónimo de carência, de falta de autonomia, do que quer que se acuse, infundadamente, apenas por preconceito e desconhecimento.

Eu não sei até quando irei amamentar a Luísa. Por enquanto, estamos bem assim e não me imagino sequer a cortar-lhe com a coisa que ela mais gosta no mundo. E que, ainda por cima, lhe faz tão bem, nutricional e emocionalmente falando (porque, ao contrário do que se possa pensar, lhe traz segurança). Irei fazer ouvidos moucos a quem me disser, apenas por achismos, que já não faz sentido amamentar.

E com esta minha experiência quero passar-vos apenas isto: quem decide a hora do desmame é o bebé, a mãe, o bebé e a mãe. Os outros não entram nesta equação.






 Fotografias - The Love Project
Tudo o que já escrevemos sobre

 
www.instagram.com/joanapaixaobras

domingo, 24 de setembro de 2017

Vestidos de domingo para a nova estação? Estes!

Não sei se já conhecem a Cordel, mas eu fiquei rendida. Estes vestidos em piquet com este floral verde suave, as mangas e aquela gola com o pormenor do lacinho com o botão são lindos, lindos! Elas ficaram um espanto. O cenário, na minha bonita cidade de Santarém, resultou tão bem nas fotografias sempre maravilhosas da Joana (The Love Project). Estas vão para uma moldura na minha sala, de certezinha. 

(E estes vestidos são tão bonitinhos que, com umas collants e uns sapatos mais compostinhos, dão perfeitamente para o dia de Natal. Sim, já estou a pensar no Natal. Ahah). <3























Vestidos - Cordel

Camisola e calças da mãe - Ivens

Cabelo e maquilhagem - Cut by Kate

 Fotografias - The Love Project


 
www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Algo que me ajudou muito quando a Irene foi para a escola.

A Irene foi para a escola - sortuda - pela primeira vez aos dois anos e meio. Já era "tão crescida" que conseguimos explicar o que ia acontecer e até esteve uma semana a gostar de ir. Depois percebeu que, mesmo quando não queria que iria e as coisas complicaram-se. 

Na altura fantasiei com uma espécie de Bipper (lembram-se?) com o qual ela me poderia enviar um boneco e eu responder com outro ou algo do género. Fica para alguma de vocês - mães empreendedoras a nadar em dinheiro - seguir com isso. Como acho que ainda não há, inventei um smile na mão dela a esferográfica e um smile na minha. Disse-lhe: sempre que precisares de miminho tens aqui o smile que te lembra da mamã e do papá que estão a penar em ti, sempre. Funcionou para mim também. Ao longo do dia lembrava-me que ela poderia ver a mão e sentir-se acarinhada. 

Pensei em tatuar o smile na minha mão e tudo, pelo significado que tem para mim e que teve para ela, mas fui aconselhada a não tatuar a mão pela tinta não aguentar "em ordem" muito tempo. 

Este ano, no primeiro fim-de-semana em que foi para o pai levou uma pulseira especial. Tanto ela como eu temos no pulso uma pulseira muito simples - foi ela a escolher no site - com uma borboleta (engraçado o significado, já que falamos de um afastamento natural do crescimento dela e meu). Disse-lhe o mesmo: vais estar muito feliz com o pai e com os avós, sempre que olhares para a pulseira, a mamã estará a pensar em ti e, se calhar, a olhar para a dela. 


Deve haver outros sistemas giros, vocês podem ou já devem ter criado o vosso, mas gosto muito destes dois. Eu tenho, porém, a tendência de tornar físicos os meus sentimentos com piercings e tatuagens e colares e...  Não sei como será convosco.

Sei que a Irene gosta. E que, pelo menos, o momento em que o fazemos é especial. Se depois funciona, não sei. Mas, por exemplo, com os smiles era já ela a pedir que os fizesse de manhã.


Só quero que ela saiba e sinta que a amo mais do que tudo no mundo. A minha missão é que ela tenha uma grande fasquia do que é ser amada para saber o que é bom para ela e o que é mau.

Fotografia: The Love Project 
Pulseira: Portugal Jewels
Smartwatch: Fóssil 


a Mãe é que sabe Instagram